Qua, 13 de Novembro de 2019 19:20

SERVIDORES DENUNCIAM FALTA DE CONDIÇÕES DE TRABALHO NO INCRA/MS DURANTE DEBATE

Escrito por  Associação dos Servidores do Incra no Mato Grosso do Sul
Classifique este artigo
(0 votos)

Servidores ativos das carreiras de Perito Federal Agrário e Reforma e Desenvolvimento Agrário lotados na sede do Incra em Campo Grande (MS), bem como representantes do SINDSEP-MS estiveram reunidos, no dia 11 de novembro de 2019, para debater sobre os ataques ao Serviço Público brasileiro e a Reforma Administrativa anunciada pelo atual Governo, intitulada Plano Mais Brasil.

 

No encontro, que ocorreu no auditório da Superintendência Regional do Incra/MS (SR-16), a diretora da CNASI-ASSOCIAÇÃO NACIONAL, Marcela Pataro, apresentou uma análise da conjuntura econômica e das suas repercussões, em especial os efeitos da Reforma da Previdência e da Reforma Administrativa na vida dos servidores públicos das três esferas e da classe trabalhadora atendida pelas diversas áreas do Serviço Público. Na sequência, foi aberto o MS banheiro fechado nov2019debate, seguido de encaminhamentos organizativos.

 

A iniciativa da CNASI de fazer reuniões nos estados, em articulação com entidades representativas e trabalhadores de outros órgãos, foi destacada como imprescindível neste momento, com o objetivo de potencializar e incentivar a organização dos servidores em cada um dos seus locais de trabalho, para discussão e enfrentamento à Reforma Administrativa. O Secretário de Formação do SINDSEP-MS, Adilson Nascimento dos Santos, informou que por conta da Reforma Administrativa, a entidade realizará uma rodada de debates nos vários órgãos da base do Sindicato, a fim de informar a categoria sobre os impactos e os direitos que serão atacados com as medidas, destacando a paralisação da progressão funcional e possibilidade de redução salarial em até 25%.

 

Na atividade em Campo Grande, foi identificada a necessidade da organização no local de trabalho, para superar o clima de desânimo e divisionismo interno entre os trabalhadores da SR-16, bem como pela necessidade de discussão e encaminhamentos sobre a dramática situação que estão enfrentando na Superintendência em relação às condições de trabalho.

 

MS ar condicionado nov2019Os servidores presentes na atividade relatarm que a SR-16 vem enfrentando problemas graves que dizem respeito à piora nas condições de trabalho, com desrespeito frontal às normas mais básicas de saúde e segurança do trabalho, quais sejam:
1) Rede de comunicação de telefonia fixa sem funcionamento, há mais de um ano, obrigando os servidores a usarem telefone pessoal para desempenharem as atribuições funcionais, sem nenhum tipo de ressarcimento da administração, contrariando o princípio da impessoalidade; prejudicando o acesso dos usuários a informações e orientações e o acompanhamento e defesa dos seus interesses, com impactos ao princípio da transparência;
2) insuficiente provisão de material de expediente, como papel, caneta, lápis, papel sulfite, etc;
3) iluminação insuficiente, decorrente da falta de reposição de lâmpadas e reparos na rede elétrica;
4) insuficiência e respectiva falta de manutenção nos aparelhos de ar-condicionado, prejudicando a salubridade do ar, afetando a saúde e o bem-estar necessários a produtividade dos servidores e o conforto do público usuário - em desrespeito ao que dispõe a Portaria Nº 3.523, de 28 de agosto de 1998;
5) ausência de contrato de terceirização dos serviços de limpeza, asseio e conservação, desde o dia 28 de outubro de 2019;
6) inexistência de material mínimo de higiene (sabonete, papel higiênico, papel toalha e etc...) nos sanitários, criando um ambiente insalubre para os trabalhadores da autarquia e causando constrangimento com risco de contaminação também para o público atendido, inclusive para crianças e idosos;
7) ausência de coleta de lixo, decorrente do descrito no item 5;
8) frota de veículos sucateada, sem manutenção regular, acarretando insegurança para os usuários.

 

Avaliação da CNASI
A atual Reforma Administrativa se constitui de um conjunto de medidas que atingem a classe trabalhadora, em especial os servidores públicos, visando a retomada da lucratividade do capital, por meio da destinação de recursos da folha de pessoal - que atualmente não chega a 5% do orçamento público -, para a poupança de Estado destinada a alimentar o sistema da dívida pública e a retomada de investimentos que a classe dominante necessita paraMS buraco gesso teto nov2019 continuar o processo de produção de valor às custas da classe que trabalha.

 

Na SR-16 e em várias outras superintendências do INCRA os efeitos da Reforma Administrativa já vêm "sendo sentidos na pele" pelos trabalhadores, a exemplo de: estrutura física sucateada, ausência dos mais básicos instrumentos de trabalhos, falta de condições de higiene e limpeza.

 

Os trabalhadores da SR-16, em conjunto com a CNASI-AN e demais entidades representativas dos servidores, precisam dar um basta a esta situação. Trabalhar sem condições mínimas, expondo a própria saúde às condições insalubres não é vestir a camisa do Serviço Público e sim compactuar, ainda que sem intenção, com o sucateamento. Em respeito ao Serviço Público de qualidade e ao público beneficiário do INCRA, é preciso dizer NÃO a essa situação, paralisar os trabalhos e acionar os órgãos de controle e fiscalização das condições de saúde e segurança no trabalho (Secretaria Regional do Trabalho; Ministério Público do Trabalho, Vigilância Sanitária, Corpo de Bombeiros, etc.)

 

É necessário também solicitar da Superintendência o cumprimento da legislação sobre saúde do servidor público, inclusive com a realização de Avaliação dos Riscos Ambientais e Psicossociais do Trabalho na SR-16 e a instalação da Comissão Regional Interna de Saúde do Servidor, com a participação das representações locais de servidores.

 

Enfim, caso não haja enfrentamento e organização no local de trabalho para superar essas terríveis condições, a atual situação será naturalizada e considerada normal num futuro próximo, dificultando ainda mais a resistência e o combate a estas situações. Ainda assim, no nível nacional, se não houver enfrentamento à Reforma Administrativa, a condição dos trabalhadores do Estado será ainda pior, num próximo ciclo, já que, além do sucateamento que vem se intensificando na prática, dentre as demais medidas anunciadas estão a flexibilização da estabilidade e o arrocho salarial permanente.

 

Saiba AQUI mais sobre debates que CNASI-AN realiza pelo país.

 

Fonte: Cnasi-AN

Associação dos Servidores do Incra no Mato Grosso do Sul

Últimas de Associação dos Servidores do Incra no Mato Grosso do Sul

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

voltar ao topo