Seg, 09 de Dezembro de 2019 19:22

DEBATE EM MINAS GERAIS APONTA AÇÕES CONJUNTAS NA BASE DOS ÓRGÃOS COMO MELHOR TÁTICA DE DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO

Escrito por  Associação dos Servidores do Incra em Minas Gerais
Classifique este artigo
(0 votos)

Servidores ativos e aposentados do Incra em Belo Horizonte (MG), bem como representantes da ASIBAMA/MG, ASSINCRA/MG, SINDSEP-MG e trabalhadores do Ministério da Agricultura estiveram reunidos, no dia vinte e sete de novembro de 2019, para participar de um debate sobre a Reforma Administrativa e os ataques ao serviço público brasileiro, já anunciados pelo atual Governo.

 

No encontro, que ocorreu no auditório do INCRA/MG, a diretora da CNASI-ASSOCIAÇÃO NACIONAL, Marcela Pataro, apresentou uma análise da conjuntura econômica e das suas repercussões no Serviço Público federal, em especial, os efeitos da Reforma da Previdência e da Reforma Administrativa. IMG 20191127 145102710 2Na sequência, foi aberto o debate seguido de encaminhamentos organizativos.

 

A iniciativa da CNASI-AN de fazer reuniões nos estados em articulação com entidades representativas e trabalhadores de outros órgãos foi destacada como imprescindível neste momento, com o objetivo de potencializar e incentivar a organização dos servidores em cada um dos seus locais de trabalho, para discussão e enfrentamento à Reforma Administrativa. Também no evento em Belo Horizonte houve um indicativo de continuidade nas mobilizações, inclusive com a participação nas atividades e mobilização da Frente Mineira em Defesa do Serviço Público.

 

Uma das principais questões ressaltadas no debate foi a gravidade das medidas apresentadas pelo Governo nas Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 186, 187 e 188, bem como a Reforma Administrativa. Dentre estas questões estão: a possibilidade de redução salarial - por meio da redução forçada da jornada de trabalho, em até 25%, por até dois anos -, bem como a paralisação da progressão funcional dos servidores públicos na carreira, a vedação de concursos públicos e a proibição de aumento da despesa salarial com a folha de pagamento. Na prática, a possibilidade de redução salarial dos servidores em atividade no INCRA, IBAMA, FUNAI, INSS e trabalhadores da saúde e educação é real, uma vez que o corpo funcional destas instituições lida diretamente com a prestação de serviço público à classe trabalhadora que está sob forte ataque dos governos a serviço do capital.

 

Na atividade foi lido o "Plano de Ação Unitário em Defesa dos Serviços Públicos das três esferas, das Empresas Públicas e Estatais, do Brasil e dos Trabalhadores e Trabalhadoras" e o "Manifesto em Defesa dos Serviços Públicos para a População Trabalhadora, dos Direitos dos Trabalhadores e Contra as Privatizações" assinado pelas principais Centrais Sindicais, na plenária do dia 26 de novembro, realizada em Brasília-DF.

 

A avaliação da CNASI-AN e demais trabalhadores apontou um equívoco de ação das centrais, pois ao ao invés de tentarem mobilizar a base para atuação nos locais de trabalho e nas ruas, elas estão deslocando peso para o Parlamento, onde as chances de reversão dos ataques é mínima – se configurando essa tática de ação ineficiente. Apesar de indicarem o período de 2 a 6 de dezembro como uma semana de mobilizações e panfletagem, a possibilidade de discussão acerca da realização de uma greve geral consta de forma tímida nos documentos da centrais, sendo necessário dessa forma, pressão junto às direções sindicais, confederações e centrais para a construção de um calendário de enfrentamento mais incisivo, condizente com a gravidade dos ataques, ainda que diante das atuais dificuldades de mobilização.

 

Outra questão levantada na discussão foi a necessidade de retomar a organização no local de trabalho, em face das questões da conjuntura que exigem enfrentamento, mas também para grupalizar os trabalhadores em torno das pautas relativas às suas condições de vida e trabalho, principalmente as práticas de assédio moral. E essa organização local encontra uma grande dificuldade no Incra em Minas Gerais, pois o desânimo e baixa participação dos servidores nos últimos tempos têm tornado pouco vigorosas as atividades de discussão e deliberação de temas de interesse da categoria.

 

Dentre os encaminhamentos da atividade destacam-se:
• Pressionar os sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais no sentido de construir uma greve nacional unitária do funcionalismo público, das três esferas de governo, como forma de rechaçar as PECs 186, 187 e 188 bem como a Reforma Administrativa;
• iniciar o processo de discussão para criação de Seção Associativa da CNASI-AN em Belo Horizonte, caso a ASSINCRA-MG não consiga eleger uma nova direção no próximo processo eleitoral, que deve se realizar em breve;
• retomar a participação nas mobilizações, reuniões e atividades propostas pela Frente Mineira em Defesa do Serviço Público;
• realização de reuniões regulares dos servidores do INCRA e em conjunto com outros trabalhadores dos demais órgãos, a exemplo de IBAMA, MAPA e IBGE, como forma de unificar as ações de enfrentamento aos ataques do Governo.

 

Fonte: Cnasi-AN

Última modificação em Seg, 09 de Dezembro de 2019 19:59
Associação dos Servidores do Incra em Minas Gerais

Últimas de Associação dos Servidores do Incra em Minas Gerais

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

voltar ao topo