Quarta, 24 Abril 2024 16:41

SERVIDORES REALIZAM O DÉCIMO SEGUNDO ATO NACIONAL EM DEFESA DA REESTRUTURAÇÃO DE CARREIRAS, PROMOÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS E FORTALECIMENTO DE INCRA, MDA, SPU

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Como demonstração de resistência e foco nos objetivos os servidores realizaram, em 22/4/2024, o décimo segundo ato nacional pela promoção das políticas públicas, fortalecimento institucional e reestruturação de carreiras do Incra, Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA) e Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

A anunciada, agendada reunião com MGI para 25/4/2024 foi um dos temas debatidos pelos servidores no décimo segundo ato nacional pelo país, com a expectativa de evolução no processo de negociação com Governo, em atendimento das pautas da categoria.

E esse décimo segundo ato nacional manteve o nível e a densidade de mobilização da mobilização anterior, com variação de unidade para unidade, embora na média tenha havido boa participação de servidores e entidades representativas na atividade. Sendo que a ampliação das ações nos atos locais se deve também à participação dos sindicatos de servidores federais nos estados, em atuação conjunta com as associações dos trabalhadores do Incra - as Assincras e Asseras. Essa campanha é realizada em parceria com a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), que é a instância sindical de representação nacional / geral com a qual a CNASI-ASSOCIAÇÃO NACIONAL mantém um histórico de atuação conjunta. Assim, a direção da Condsef enviou orientação aos sindicatos federais nos estados para que se adicionem às ações da campanha juntos com as associações e servidores do Incra. O SindPFA é parceiro na campanha, o que o levou a mobilizar seus delegados regionais e filiados para se somarem às ações nas unidades do Incra pelo país.

As atividades / atos de 22 de abril de 2024 ocorreram nas unidades de DF, GO, MT, MS, PA (Belém), RO, MA, PB, PE (Recife e UAE Petrolina), SE, PR e RS.

Desta forma, no décimo segundo ato nacional o perfil da manifestação se manteve diverso - com ações fortes em algumas unidades, médio em outras, enquanto uma terceira categoria teve mais atividades de reuniões internas, diálogos e análises de conjuntura, com projeções possíveis e desdobramentos. Também ocorreu intensificação das ações de busca de apoio político-parlamentar, divulgação de conteúdos em redes sociais, etc. Já nos atos físicos, nas diversas situações, mais uma vez se configuraram a diversidade das atividades do décimo segundo ato nacional da campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA”, pois teve local com boa participação de servidores e integrantes de movimentos sociais e parlamentares – com seus assessores. Em outros, grupos menores se reuniram para analisar e debater problemas e soluções aos órgãos e políticas públicas. Houve unidade que fez reunião com gestores para expor a pauta da categoria e solicitar apoio e junção de forças para as viabilizar. Algumas outras ainda fizeram produção de documentos em defesa da pauta da categoria.

A direção da Cnasi-AN, ainda na manhã de 19/4/2024, repassou a servidores, lideranças e diretorias de Assincras e Asseras por meio de aplicativos de envio de mensagens artes, textos e orientações sobre as atividades. Na manhã de 22/4/2024 houve repasse de links de diversas matérias publicadas no portal da Cnasi-AN com as ações nos estados na atividade anterior – o décimo primeiro ato nacional -, como forma de incentivar e dar visibilidade para as ações da categoria no âmbito local. Foi feito ainda orientação de usarem as redes sociais para divulgarem documentos, fotos, vídeos, “marcando” pessoas, entidades e órgãos gestores, bem como #INCRAREESTRUTURACAODECARREIRASJA como “Hashtag” – que são palavras-chave ou termos associados a uma informação, tópico ou discussão que se deseja indexar de forma explícita em aplicativos de redes sociais como forma de gerar um engajamento em determinado assunto. A ideia foi de atrelar / vincular conteúdos dos atos pelo país com a citada “Hashtag” e contas de lideranças políticas e gestores nas redes sociais, como forma de gerar uma atenção maior à pauta da categoria.

Pelo país
Em Brasília/DF, servidores e lideranças das entidades envolvidas na décima segunda edição do ato nacional fizeram diálogo em reunião que focou no repasse de informações do processo de negociação com o Governo, análise de conjuntura e planejamento de ações da semana. O uso de sistema de som no térreo do edifício Palácio do Desenvolvimento, a Sede nacional do Incra, foi intensificado para que os servidores e lideranças das entidades envolvidas no processo de mobilização e negociação com o MGI pudessem repassar informações, fazer análises e deliberação conjunta – com destaque para a busca por apoio político-parlamentar. Novamente a atividade local ocorre com organização e estrutura do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Distrito Federal (Sindsep-DF) e da Assera/BR. O debate evoluiu e o planejamento de ações deliberou por realização de vigília na quinta-feira seguinte, em 25/4/2024, por conta de reunião das entidades representativas com o MGI para apresentação de proposta de reestruturação de carreiras. A diretoria da Cnasi-AN presente na atividade informou que iria fazer convocação da base nas assincras e asseras para a realização de vigília por todo o país, em 25/4/2024, para pressionar o Governo a atender as demandas na categoria. No entanto, na noite de 22/4/2024 chegou à Cnasi-AN informação que MGI alterou a data da reunião para 2/5/2024 – comprometendo a deliberação por vigília na quinta-feira seguinte. Assim que recebeu a informação de mudança de data de reunião com MGI, Cnasi-AN repassou a servidores e lideranças por todo o país, por meio de aplicativo de mensagens – o que causou muita indignação da categoria, com o desrespeito do Governo.

Ainda no Centro-Oeste do Brasil, em Goiás, servidores do Incra decidiram no ato de 22/4/2024, em Goiânia, que vão aguardar as definições da reunião da mesa com o MGI para definir se a mobilização permanece ou se será necessária outra estratégia de atuação. Além disso, se decidiu enviar carta ao presidente Lula. A carta contextualiza a disparidade existente entre a missão do Incra, a necessidade de se reforçar a atuação da autarquia para contribuir com o desenvolvimento social, a atual desestruturação do Instituto e a insatisfação dos servidores com os baixos salários. O documento é um apelo para que o presidente Lula reforce com a ministra Esther Dweck (MGI) a necessidade da aprovação do pleito dos servidores do Incra sobre o reajuste salarial.

Em Mato Grosso, o Sindicato dos Servidores Público Federais no Estado (Sindsep-MT) se reuniu, na manhã do dia 22/04/2024, com servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no estado, em frente a sua sede regional no Centro Político Administrativo, para debater a reestruturação das carreiras, repassar informes e programar ações futuras. O Ato contou com a participação de 19 servidores ativos e aposentados. Foi passado alguns informes referente à apresentação da proposta pela Cnasi-AN e Condsef, encaminhada ao MGI.

Já em Mato Grosso do Sul, um grupo de servidores e lideranças envolvidas na campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” defensora da reestruturação de carreiras participou da Oficina de Planejamento Participativo – que tem como principal objetivo o diálogo com os movimentos sociais e sindicais do campo para a construção das ações da autarquia no estado. Assim, a mobilização na capital Campo Grande, em 22/4/2024, ocorreu no evento, no qual servidores e lideranças fizeram contribuições ao processo de planejamento e expuseram as dificuldades e deficiências do Incra e de seu corpo funcional, além das reivindicações da categoria - com destaque para a reestruturação de carreiras. E nessa mesma linha de ação, representantes dos movimentos sociais defensores da reforma agrária presentes no evento chancelaram a pauta dos servidores e fizeram também defesa da valorização profissional no Incra - como forma de fornecer ao órgão estrutura e condições de trabalho para que seus trabalhadores possam exercer com eficácia e eficiências os serviços necessários para atender a população e os públicos da autarquia.

No Norte do Brasil, servidores e lideranças do Incra no Nordeste do Pará se reuniam na manhã de 22/04/2024, no auditório do Sindicato dos Urbanitários do Pará, durante a Oficina de Planejamento Participativo em Belém/PA, a convite do presidente César Aldrighi, com a finalidade de repassar os últimos informes das negociações com o MGI e ouvir as demandas. A reunião teve participação de 30 servidores. Presidente do Incra repassou os seguintes relatos: Ele, César, tem se emprenhado pessoalmente junto ao “centro de Governo” em mostrar a defasagem salarial que se encontra os servidores do Incra; que já esclareceu para o “centro de Governo” que sem a reestruturação das carreiras do Incra, não tem como executar o programa Terra da Gente; que tem feito todos os esforços para aumentar o orçamento anual da autarquia para junto com as demais ações colocar o Incra em posição de destaque no cenário nacional. Em seguida, se abriu a fala para os servidores e foi colocado inicialmente as condições precárias que se encontra a sede do Incra/PA em Belém, com mais de 40 anos de construída, onde quatro blocos estão fechados e apenas um funciona - também com sérios problemas. Computadores tem até 10 anos de uso e estão defasados. Servidores afirmaram que esperam por uma ação real em favor da reestruturação, pois só viram falas de apoio a causa, mas nenhuma atitude concreta de valorização da carreira. O superintendente do Incra/PA-NE, Raimundo Morais, declarou total apoio a mobilização dos servidores e fez uma fala em defesa da categoria. Reafirmou a total falta de condições de trabalho em Belém/PA e convidou o presidente para verificar “in loco” a situação caótica dos prédios do Incra/PA-NE.

Em Rondônia, na data de 22/4/2024, a campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” em defesa da reestruturação de carreiras mobilizou novamente a base dos servidores do Incra na capital Porto Velho. Isso, porque servidores realizaram ações na Superintendência Regional, quando um grupo se reuniu em uma das entradas da unidade para repasse de informações, análise de conjuntura e planejamento das ações da semana – a exemplo de vigília nas datas de reunião das entidades representativas com o MGI. O grupo ainda planejou novas ações locais como forma de ampliar a mobilização e participação de mais servidores nas atividades.

Já no Nordeste do Brasil, no Maranhão, servidores e lideranças do Incra, na data de 22/04/2024, sem muita novidade pra apresentar, após 3 meses de intensa expectativa, discussões e debates com a categoria, realizaram mais uma segunda-feira de mobilização, vigília no Incra/MA, em São Luís. De acordo com a Diretoria da Assincra/MA, a expectativa de todos os que estão lutando no Incra no estado do Maranhão é por dias melhores e, principalmente, com relação a possível tabela que o Governo, por meio do MGI, possa apresentar de forma minimamente aceitável para todos. Como costumeiramente foi feito uma reunião entre o grupo de servidores, na sala de videoconferência da SR, na qual se conversou sobre vários assuntos e, como não poderia ser diferente, o mais abordado e relevante - a reestruturação de carreiras da categoria. A Assincra/MA, por meio do seu representante, fez a abertura da reunião na qual passou rapidamente os últimos informes sobre o andamento das negociações com o Governo, logo em seguida a representante do SindPFA, fez algumas ponderações e esclarecimentos sobre a proposta encaminhada pelas entidades ao MGI. Na avaliação do grupo de servidores, agora é aguardar o que efetivamente será apresentado pelo Governo para que se decida que rumo tomar a partir da proposta.

Na Paraíba, servidores do Incra realizaram, na data de 22/4/2024, atividades da campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” em defesa da reestruturação de carreiras, como forma de pressionar o Governo a atender as pautas da categoria. Os profissionais da autarquia no estado fizeram uma reunião na sede da Superintendência Regional na capital João Pessoa, quando houve repasse de informações, análise de conjuntura e planejamento das ações da semana – a exemplo de vigília nas datas de reunião das entidades representativas com o MGI. Os profissionais ainda planejaram novas ações locais como forma de ampliar a mobilização e participação de mais servidores nas atividades. Embora as condições de trabalho no Incra/PB estejam bem ruins, pela falta de estrutura física da Superintendência, com interdição de boa parte de sua área, bem como sem diretoria eleita da Assincra/PB para organizar as ações locais em defesa da categoria, os servidores paraibanos têm juntado forças e convergência de objetivos para realizar atividades – a exemplo da mobilização de vigília, na data de 18/4/2024, na sede da Regional da autarquia à espera de informações e resultados da reunião das entidades representativas da categoria com o MGI. A ação, foi uma forma de prestar homenagem às lideranças nacionais e as entidades que estão na mesa de negociação, bem como para pressionar o Governo. Essa foi a segunda vigília que servidores e lideranças do Incra na Paraíba realizam durante reuniões com MGI - a primeira ocorreu em 14 de março de 2024.

Em Pernambuco, a base dos servidores do Incra realizou atividades da campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” em defesa da reestruturação de carreiras, na data de 22/4/2024, tanto na capital quanto no interior, pois os profissionais realizaram ações na Superintendência Regional na capital Recife e na Unidade Avançada em Petrolina. Na Superintendência Regional da autarquia em Recife, lideranças de Assincra/PE e Sindsep/PE fizeram visitas nas salas dos setores do Incra para dialogar diretamente com servidores, como forma de levar informações e recepcionar impressões da base na capital pernambucana. O debate foi proveitoso, inclusive com propostas de realização de atividades em dias da semana diferentes da segunda-feira, etc. A diretoria da Assincra/PE manteve contato com a direção da Cnasi-AN ainda naquela data para dialogar sobre a proposta e foi informada que já são três meses com atos nas segundas-feiras, se tornando uma referência para outros órgãos do Serviço Público Federal e que a alteração para outro dia da semana poderia ser contraproducente, já que prejudicaria a mobilização e descaracterizaria a escolha da data - já que é no início da semana quando há mais servidores nas unidades do Incra pelo país e assim mais pessoas poderia interagir com os mobilizados, com repasse de informações e avaliações. Enquanto que na Unidade Avançada Especial em Petrolina/PE, os servidores, continuando o movimento de apoio à mobilização nacional da categoria, inseridos na campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA”, reuniram-se na Sala da Cidadania na segunda-feira, 22 de abril. A reunião teve por foco o nivelamento de informações e avaliação do cenário após a reunião ocorrida na última quinta-feira, na qual participaram as entidades representativas dos servidores e do Governo. Os servidores manifestaram grande expectativa em torno da possível apresentação de tabela pelo Governo em reunião agendada. Foi proposto que se fizesse a sugestão à Direção Nacional da Cnasi para coordenar um momento de vigília durante a reunião como forma de demostrar a mobilização da categoria. Os servidores reforçaram a confiança no processo, registrando, mais uma vez, seu apoio à coordenação nacional do movimento, em especial à Cnasi-AN e Condsef.

Em Sergipe, mobilizados há pouco mais de dois meses, os servidores do Incra realizaram na segunda-feira (22/04) mais um ato público em busca da reestruturação de suas carreiras. Com portões fechados, novamente o atendimento ao público ficou restrito ao longo do dia. Os servidores voltaram a se reunir no auditório da Superintendência Regional para avaliar as ações empreendidas na última semana e debater os próximos passos - em uma semana considerada decisiva para a categoria. Para aguardar a reunião com MGI, que deve marcar a apresentação de uma proposta para as carreiras da autarquia, o grupo de servidores irá promover uma vigília ao longo do dia. Em Sergipe, os servidores mantem a chamada “operação padrão”, que exige o cumprimento de uma série de requisitos legais para a realização de atividades de campo. Nos casos em que os requisitos são cumpridos, os servidores decidiram que a realização dos trabalhos deverá ocorrer com o uso do colete que marca a mobilização da categoria.

No Sul do Brasil, no Paraná, os servidores das divisões do Incra/PR, reunidos em assembleia permanente na segunda-feira (22/4) na 12ª Reunião de Mobilização, deliberaram atividade de vigília por toda essa quinta-feira (25/4) durante todo o dia, para acompanhamento dos desdobramentos da apresentação da proposta devolutiva pelo Ministério de Gestão e Inovação (MGI) sobre a reestruturação das carreiras do Incra. A ideia da atividade proposta seria uma Vigília Itinerante por todas as divisões para sensibilização dos gestores e dos servidores para acompanhamento da reunião do MGI e da necessidade de melhoria das condições de trabalho na superintendência do Paraná. Com uma faixa, os servidores mobilizados iriam se deslocar por todos os andares e dependências. Mas o adiamento da reunião com MGI impossibilitou a ação de vigília na data e foi transferida para dia 2/5/2024. Os servidores mobilizados já protocolaram no SEI (54000.038248/2024-58) há um mês (22/3) as pautas sobre melhorias das condições de trabalho na Superintendência do Incra no Paraná e uma comissão dos servidores foi recebida no Gabinete na segunda-feira passada (15/4), quando foi reiterada a necessidade de discussão das pautas. O Gabinete informará a data da reunião com os servidores mobilizados.

No Rio Grande do Sul, iniciando mais uma semana de mobilização, servidoras e servidores do Incra e do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA) no estado realizaram novamente ato na manhã de segunda-feira (22/4), na sede em Porto Alegre. Como forma de pressionar o Governo, os trabalhadores se mobilizaram pela reestruturação das carreiras, reposição das perdas inflacionárias, fortalecimento do Incra e MDA e promoção de políticas públicas. Há meses, os trabalhadores estão mobilizados e semanalmente acontecem atividades chamadas pelo Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos Federais do RS (Sindiserf/RS) e pelo Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários (SindPFA). Na atividade de 22/4/2024, a secretária-geral do Sindiserf/RS, Eleandra Raquel da Silva Koch, informou como foi a reunião com MGI realizada 18/4/2024, durante a Jornada de Lutas em Brasília/DF, que avançou no debate de aspectos técnicos para carreira Agrária. “Lutamos pela equiparação dos servidores aposentados, a diminuição entre os níveis superior e intermediário - que é um nível técnico de grande importância no Incra”, disse ela. Segunda a dirigente, os servidores seguirão mobilizados. “O Governo se comprometeu a apresentar uma tabela e esperamos que faça já na próxima reunião. Nossas reivindicações são importantes para que o Incra continue cumprindo sua missão e atuando em políticas públicas como o programa ‘Terra da Gente'”, reforçou. Eleandra, que é servidora do Incra, estará presente na reunião setorial, em Brasília.

Fonte: Cnasi-AN, SindPFA, Sindsep-DF, sindicatos federais, Assincras e Asseras

Ler 199 vezes Última modificação em Terça, 07 Mai 2024 19:42