Domingo, 30 Junho 2024 21:50

CAMPANHA DE ARRECADAÇÃO AUXILIOU ONZE FAMÍLIAS DE TRABALHADORES DO INCRA AFETADOS PELAS CHUVAS NO RIO GRANDE DO SUL Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

A CAMPANHA DE ARRECADAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS para ajudar trabalhadores da autarquia (servidores e terceirizados) atingidos pela enchente no Rio Grande do Sul, lançada em 6 de maio de 2024, foi concluída e os valores direcionados às 11 famílias beneficiadas.

A ação foi realizada em atendimento às solicitações de profissionais da autarquia de todo o Brasil e ocorreu por meio de parceria da Associação Nacional dos Servidores Públicos Federais Agrários (CNASI-AN), Sindicato dos Peritos Federais Agrários (SindPFA), Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos Federais do Rio Grande do Sul (Sindserf/RS) e a Associação dos Servidores do Incra (Assincra/RS).

Pela aproximação física e de logística, a ação da campanha foi executada pela Assincra/RS, juntamente com Assessoria de Comunicação e Serviço de Desenvolvimento Humano da Superintendência Regional da autarquia no estado.

Conforme prestação de contas da Assincra/RS, a campanha arrecadou R$ 15.256,89 enviados por colaboradores de diferentes estados. No total, 15 pessoas da regional gaúcha - entre servidores, contratados e aposentados -, tiveram as casas danificadas. Como o número inclui dois casais, além de um servidor e um inativo que declinaram do apoio, o valor coletado foi dividido entre 11 famílias.

Exemplo de beneficiário
Entre os destinatários da ajuda está Carla Ricbarczyki, atendente da Sala da Cidadania. A água chegou a sua casa na manhã de sábado (04/05/2024). “Antes do meio-dia, o nível já estava em 1,30m. Só deu tempo de levar o sofá, a televisão e as cadeiras para o andar de cima”, lembra. Após algumas horas refugiada no segundo piso, ela e a família conseguiram carona de uma embarcação para buscar terra firme. “O barco virou durante o trajeto. Minha filha conseguiu se segurar em uma árvore, um vizinho me salvou com minha cachorrinha, mas nos perdemos do meu marido”, relata.

Sem contato e deixados em abrigos diferentes, os três integrantes da família de Carla conseguiram se reencontrar à noite e logo seguiram para a casa de parentes. Foram cerca de dez dias acolhidos por familiares, mas as consequências continuam. “Estamos limpando conforme dá, o mofo sempre volta para as paredes e os móveis”, lamenta Carla.

Com informações da Ascom Incra/RS.

Fonte: Assincra/RS, Sindiserf/RS, SindPFA e Cnasi-AN

Ler 75 vezes Última modificação em Domingo, 30 Junho 2024 22:04