CNASI

CNASI

Sexta, 02 Dezembro 2011 19:48

MS TERÁ R$ 4 MILHÕES PARA ASSENTAMENTOS

Reunião entre representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o senador Delcídio do Amaral (PT), na manhã desta segunda-feira (21/11), discutiu a possibilidade de aumento dos recursos para a infraestrutra dos assentamentos de Mato Grosso do Sul, bem como a melhoria das condições de atuação dos servidores do instituto. A superintendência confirma envio de R$ 4 milhões do governo Federal para os próximos dias, visando investimentos nos assentamentos. Outros R$ 24 milhões são pleiteados.

 

Ficou acordado na reunião que o senador e a bancada federal do Estado irão buscar no Orçamento da União recursos para atender às solicitações apresentadas no encontro, que ocorreu na sede do Incra, na Avenida Afonso Pena.

 

Confira a íntegra da matéria no link abaixo:

http://www.capitalnews.com.br/ver_not.php?id=223126&ed=Geral&cat=Not%EDcias

 

Fonte: Capital News

 

A falta de condições de trabalho é uma triste e cruel realidade em boa parte dos prédios do Incra por todo o país – com destaque para as superintendências regionais de São Paulo, Paraíba e Mato Grosso do Sul que vão desde a interdição (total e parcial) ao precário funcionamento elétrico, de dados, hidráulico, higiênico, condicionamento de ar, viaturas, etc. Em Mato Grosso a situação também é muito precária em todos os aspectos e isso foi denunciado no debate que a CNASI-ASSOCIAÇÃO NACIONAL realizou na sede regional em Cuiabá, em parceria com a Assincra/MT e o Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Mato Grosso (Sindsep-MT).

A decisão dos servidores do Incra em Mato Grosso de deflagraram greve por tempo indeterminado tem ganhado destaque na imprensa do Estado e repercutido no meio político, inclusive em Brasília. Isso, porque desde o dia 1º de junho de 2015, quando se iniciou a greve, os serviços prestados pela autarquia que já vinham deficitários param de vez - o que tem irritado agricultores familiares e grandes produtores rurais.

A falta de gestão qualificada e orçamento adequado para suprir as necessidades básicas do Incra no Mato Grosso tem obrigado os dedicados servidores do Incra a pagarem por serviços de limpeza e a comprarem materiais básicos, como papel higiênico e de impressão, água potável, copo descartável, além de toner para imprimir documentos e relatórios essenciais para a autarquia no Estado.

A greve dos cerca de 300 servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), marcada para ter início nesta quinta-feira (21/06) não ameaça a retirada das mais de 220 famílias do Movimento Sem Terra (MST) que se encontram acampadas há três dias na BR 364 nas proximidades de Cáceres (a 225 km de Cuiabá).

 

De acordo com José Vieira, representante do MST, a paralisação dos servidores não implicará na cessão das atividades realizadas pelo movimento. Para ele, a luta dos servidores do Incra é tão legítima quanto a deles e por isso, deve ser respeitada. Mas isso não significa que o MST abandonará o desbloqueio, mesmo que as reivindicações solicitadas demorem a ser atendidas, em decorrência da greve.

 

Acesse a íntegra da reportagem no link abaixo:

http://www.cenariomt.com.br/noticia.asp?cod=206696&codDep=3

 

Fonte: Cenário MT

Funcionários do Incra fazem paralisação por 24 horas nesta quinta-feira (24/11). A reivindicação da categoria é de que os servidores participem da proposta de reestruturação do órgão que o governo federal pretende fazer. O Incra de Cuiabá tem 350 funcionários e todos aderiram aP1010073_3 paralisação. O Estado ainda conta com outras nove superintendências.

 

O presidente da associação do Incra, Roosivelt Motta, disse que apenas os servidores da Capital é que P1010066_2aderiram à paralisação. Os demais trabalhadores do interior do Estado estão trabalhando normalmente. O argumento do presidente é que não deu tempo de mobilizar todos os servidores.

 

Confira a íntegra no link abaixo:

http://www.hipernoticias.com.br/TNX/conteudo.php?sid=112&cid=7152

 

Fonte: Hipernotícias

Os servidores do Incra no Mato Grosso (MT) decidiram, nesta segunda-feira (21/11),durante Encontro Estadual realizado na Capital Cuiabá, fazer uma paralisação dia 24 de novembro com intuito de debater a situação da Fassincra e a proposta de reestruturação do Instituto.

 

O apoio dos aposentados no dia da paralisação foi pauta também da reunião no dia. Outro ponto abordado foi a articulação junto a bancada federal de MT para a aprovação das emendas de equiparação com o MAPA e ascensão funcional.

 

O evento fez parte da Campanha Nacional de Mobilização dos Servidores do Incra, promovida pela CNASI, Condsef, sindicatos eImagem_009_2 associações, bem como a Fassincra. Como palestrantes estiveram presentes a presidente do Conselho Deliberativo da Fassincra, Maria Jurgleide Castro, e a diretora da CNASI, Rosane Rodrigues. O encontro teve a participação do superintendente do Incra/MT, Valdir Mendes Barranco.

 

Dentre os assuntos que mais atraíram a atenção dos servidores foram: a Reestruturação do INCRA e Plano de Carreira e esclarecimentos sobre a situação financeira da FASSINCRA, bem como as possíveis soluções para reestruturação do Plano FASSINCRA/Saúde. O fortalecimento da Assincra/MT foi outro assunto de interesse dos participantes.

 

 

Imagem_004_2O Encontro Estadual dos Servidores do Incra no Mato Grosso teve as seguintes deliberações / decisões:

1- Realizar o Dia Nacional de Paralisação, em 24 de novembro de 2011, para debater a situação da FASSINCRA e a proposta de Reestruturação do INCRA, com convite de apoio e participação doImagem_013_2 sindicato e parlamentares;

2- Envio de e-mails aos deputados federais em defesa das EC 18/2011 e EC 34/2007, equiparação ao MAPA e ascensão funcional, respectivamente;

3- Articular com a bancada federal de MT para aprovação das emendas de equiparação com o MAPA e ascensão funcional;

4- Encaminhar nas atividades do sindicato a inclusão no plano de luta a defesa pela aprovação das emendas equiparação com o MAPA e Imagem_2ascensão funcional;

5- Convidar os aposentados para do Dia Nacional de Paralisação;

6- Participar e fortalecer a Assincra local. Ficou escolhido um grupo para organizar as atividades ficando formado por: Tania, Tiago, Anselmo, Marcelo e Aida.

Fonte: Ascom Cnasi

Servidores ativos e aposentados do Incra em Porto Alegre, bem como representantes da ASIBAMA/RS, da Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (ANFFA) e SINTSERF/RS estiveram reunidos, no dia seis de novembro de 2019, para participar de um debate sobre os ataques ao Serviço Público brasileiro e a Reforma Administrativa anunciada pelo atual Governo.

Os servidores da Superintendência Regional do Incra no RS promoveram, nesta segunda-feira (21/05), mais um ato de solidariedade, doando alimentos e agasalhos a Associação de Cegos Louis Braille, localizada no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre. A atividade integrou a terceira paralisação da categoria neste mês, a qual reivindica melhores condições de trabalho, reforço do quadro funcional e RS_doacao_2recomposição de salários tanto da Autarquia quanto do MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrário.

 

Após organizarem uma campanha interna de arrecadação, os servidores distribuíram dezenas de agasalhos, sapatos e roupas à entidade assistencial. Com apoio de duas cooperativas de assentados da região metropolitana, também foram doados 30 quilos de arroz orgânico e 20 quilos de leite em pó, produzidos nos assentamentos do Estado.

 

A preocupação social foi marcante durante todas as mobilizações. Para o presidente da Associação dos Servidores do Incra (Assincra-RS), Sérgio Pinto, a solidariedade com instituições da cidade, representa a importância da reforma agrária para toda a sociedade. "Trabalhamos pela manutenção do abastecimento de alimentos de qualidade, como o que já vem acontecendo através do Programa de Alimentação Escolar, que recebe a produção de assentamentos  e repassa para mais de 500 escolas no Estado. Além disso, o Incra oportuniza condições para a produção orgânica, o que favorece a sustentabilidade não só do campo, como também do meio urbano".

 

Na semana passada (14), os servidores também entregaram alimentos à Casa do Pequenino, creche do Instituto Espírita Dias da Cruz, além de distribuírem pacotes de arroz e erva-mate aos motoristas que trafegavam em frente à sede da Superintendência, no centro da capital gaúcha. Após as mobilizações, os servidores do Incra aguardam agora, do governo federal, respostas às suas demandas em reunião já agendada para o próximo dia 31, no Ministério do Planejamento, em Brasília.

 

 

Braille

 

Criada em 1973, a Associação de Cegos Louis Braille mantém a Casa Lar do Cego Idoso, que oferece abrigo e serviços de amparo a deficiente visuais de todas as idades em situação de vulnerabilidade social. A instituição atende 50 pessoas acima de 60 anos e é mantida por doações e trabalho voluntário.

 

Fonte: Ascom Assincra/RS

Os servidores do Incra no Rio Grande do Sul promoveram, no dia 14 de maio de 2012, sua segunda grande paralisação a qual se repetirá no próximo dia 21.05.2012. A paralisação foi exitosa, novamente, contando com a participação da totalidade dos servidores. A mobilização iniciou-se às 8 horas, na porta de acesso ao prédio. Às 11 horas houve a participação no evento do deputado.federal Elvino Bohn Gass, doRS_creche_2Núcleo Agrário do PT, e muito ligado ao ministro do MDA, Pepe Vargas.

 

Em seguida, foi realizada uma mobilização junto ao semáforo, em frente ao prédio onde fica a sede regional do Incra, com entrega de erva mate orgânica, doada pelos assentados do Instituto, e repasse de panfleto explicativo da motivação da paralisação dos servidores do órgão. A participação da imprensa local foi maior no ato, realizado às 14 horas, da entrega de alimentos (leite e arroz, também doados pelas cooperativas dos assentados) à Casa do Pequenino, creche da Instituição Espírita Dias da Cruz, que recebe 120 crianças de famílias pobres de Porto Alegre.

 

Às 15 horas, os servidores receberam o representante do Fórum Gaúcho em Defesa do Código Florestal, José Romari Dutra da Fonseca, que fez um amplo esclarecimento sobre como é, como está e como pode ficar o meio rural com o novo Código Florestal. Para finalizar a paralisação, os presentes fizeram uma avaliação das atividades, que foi considerada por todos como muito boa. Já ficou definida a nova comissão que irá preparar as atividades do dia 21.05.2012.

 

7 de maio

 

A paralisação das atividades do Incra no Rio Grande do Sul foi completa. Segundo os organizadores, o ato simbólico de entrega de arroz orgânico produzido em assentamento do Incra à população em semáforo próximo ao prédio que sedia a autarquia no estado, juntamente com e RS_IMG_2108_2panfleto explicativo da motivação da paralisação, foi marcante e teve ampla divulgação na imprensa local.

 

Diversas entrevistas a veículos de comunicação impressos, on-line, radiofônicos e televisivos foram concedidas por coordenadores do movimento gaúcho. “Durante nosso ato compareceram vários veículos de imprensa gaúcha, nos quais as nossas reivindicações foram reproduzidas em todos os telejornais do dia. Na tarde, fizemos uma entrada "ao vivo" no jornal de uma das emissoras de TV locais e, para finalizar a paralisação, fizemos uma assembleia de avaliação da atividade que foi considerada, por todos, como excelente. Já ficou definida a nova comissão que ira preparar as atividades do dia 14 de maio próximo”, afirmou Sérgio Pinto, presidente Assincra/RS

 

25 de abril

 

No Rio Grande do Sul os servidores do Incra das duas carreira (Reforma e Desenvolvimento Agrário; Perito Federal Agrário) fizeramparalisacao_incra_035_2mobilizações e paralisações no prédio onde fica sediada a autarquia. A paralisação foi total. À tarde os profissionais se juntaram a outros servidores federais em ato público organizado pelo Sindserf/RS, Sintrajufe, Unafisco, Sindisprev, Sindfaz, Assurfrgs. O Incra ganhou destaque entre os presentes pelas faixas e os coletes verdes, com a frase “Incra na Luta”.

 

28 de março de 2012

 

Houve êxito completo com a total paralisação das atividades na regional da autarquia, apesar de haver no mesmo dia uma ocupação, pelos movimentos sociais, do prédio onde está a sede do Incra no Estado. A direção da Assincra/RS e demais servidores aproveitaram para paraRS_acompartilhar com os integrantes dos movimentos sociais as pautas da categoria.

 

Segundo a direção da Assincra/RS, a luta, se dá politicamente (como tudo no País), sendo que o convencimento de deputados, senadores ou qualquer outro ente politico é um dos principais instrumentos. Assim, nos dias anteriores à paralisação, a associação fez contatos com todos os parlamentares da base do governo e de fora dela. Houve ênfase no contato com assessores do ministro do MDA, Pepe Vargas, que é gaúcho.

 

Fonte: Ascom Cnasi

Página 5 de 124