CNASI

CNASI

Os servidores do Incra no Rio Grande do Norte reunidos em assembleia local, na data de 6/5/2024, decidiram pela REJEIÇÃO POR UNANIMIDADE DA PROPOSTA DO MGI por a considerar que não atende minimamente as reivindicações da categoria – além de manter todos os problemas que têm as carreiras.

Para os participantes, a proposta do MGI ainda manteve as diferenças salariais das duas carreiras e não ampliou o percentual de remuneração do nível intermediário / médio em relação ao superior. A proposta do MGI também não trouxe as requeridas gratificações de qualificação e localidade.

Durante o ato, que ocorreu dentro da campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” em defesa da reestruturação de carreiras, dirigentes de entidades representativas, lideranças e servidores também fizeram repasse de informações e análises sobre o processo de negociação atual, os acordos já assinados e os percentuais de aumento remunerativo acordados entre Governo e categorias do Serviço Público Federal.

Os servidores aproveitaram a atividade para relatar sobre as lutas anteriores por reestruturação. Houve debate de outras formas de mobilização - a exemplo de novas cartas aos parlamentares pedindo apoio e nivelando os acontecimentos nas reuniões com MGI, confecção de faixas, nova convocação para debater e deliberar por operação padrão, estado de greve.

O grupo ainda está analisando marcar reunião com lideranças do MST e com deputados federais do estado para informar o que está acontecendo e que é importante eles discursarem no Plenário em defesa da categoria, para que o programa Terra da Gente saia do papel.

O Incra/RN ainda deliberou que a Cnasi-AN oriente as outras assincras / asseras / seções associativas nos estados a declararem estado de greve para aumentar a pressão no Governo.

Fonte: Assincra/RN

Na Superintendência Regional do Incra no Oeste do Pará, com sede em Santarém/PA, os servidores do Incra participaram, em 9/5/2024, de Assembleia Geral promovida pelo Sintsep/PA para discutir e deliberar sobre a proposta do Governo apresentada por meio do MGI às entidades representativas nacionais da categoria em 02/05/2024.

Após leitura da pauta de convocação da assembleia, a coordenadora Regina Brito, da direção do Sintsep/PA, fez uma análise da conjuntura e, ressaltou os pontos da proposta apresentada pelo Governo na mesa específica, citando ter sido apresentado para o nível superior 9% em 2025 e 3,5% para o ano de 2026 e para o nível intermediário é pior ainda, sendo 4,5% em 2025 e 4,5% em 2026. Ela enfatizou que a defasagem alcança mais 51%. Regina ressaltou ainda que a proposta construída pelas entidades e pelos servidores refletia uma verdadeira recomposição de perdas inflacionárias, mas, que na verdade o MGI quando apresenta uma proposta dessas, estava então enganando os servidores do Incra.

O servidor Luiz Viegas pontuou na assembleia que essa proposta era “um total desrespeito com os servidores do Incra, visto que são muito desvalorizados”. Ele também reforçou que é esse “o momento de tomarmos uma atitude e que está na hora de mostrarmos nosso valor”.
Já o servidor Luiz Fernando questionou o porquê outros órgãos são valorizados e o Incra fica com migalhas. Segundo ele, “hoje nós do Incra estamos em uma inversão de papéis e que recebem o pior salário do Governo Federal”. Em suas colocações, Luiz Fernando pontuou que Incra deve sair do acovardamento e em sua posição e votar o indicativo de greve.

Quanto às deliberações da assembleia, os servidores do Incra em Santarém/PA decidiram REJEITAR A PROPOSTA DO MGI e APROVAR INDICATIVO DE GREVE.

Fonte: Sintsep/PA

Em assembleia convocada pelo Sindsep-PE, na data de 8/5/2024, os servidores da Unidade Avançada Especial do Sertão em Petrolina-PE, reuniram-se para apreciar e deliberar sobre a proposta de reajuste / reestruturação de carreiras feita pelo Governo / MGI para os profissionais da autarquia, apresentada às entidades representativas nacionais em 2/5/2024, em Brasília

Durante a atividade, os servidores presentes novamente manifestaram o descontentamento com a proposta do MGI, pois ela manteve as diferenças salariais das duas carreiras e não ampliou o percentual de remuneração do nível intermediário / médio em relação ao superior. A proposta do MGI também não trouxe as requeridas gratificações de qualificação e localidade.

Assim, a base em Petrolina-PE decidiu pela REJEIÇÃO POR UNANIMIDADE DA PROPOSTA DO MGI por a considerar que não atende minimamente as reivindicações da categoria – além de manter todos os problemas que têm as carreiras.

Também foi decidido pelos servidores na Unidade Avançada que o grupo avalie indicativo de greve caso o processo de negociação com o Governo não progrida eficientemente.

A realização dessa assembleia ocorreu por uma articulação com as diretorias da Cnasi-AN, do Sindsep-PE e da Assincra/PE (esses sediados em Recife/PE) com as lideranças do Incra em Petrolina, que está sem diretoria da Assincra/MSF eleita há alguns anos.

ATO NACIONAL
Os servidores da UAE em Petrolina-PE reuniram-se na segunda feira, dia 06 de maio de 2024, para repercutir o cenário desenhado com a apresentação da proposta de reajuste feita pelo Governo para os servidores do Incra.

Na oportunidade os servidores presentes manifestaram descontentamento e fizeram ponderações acerca dos próximos passos a serem considerados pela categoria, inclusive visualizando a POSSIBILIDADE DE GREVE como forma de deixar clara a insatisfação dos servidores.

Assembleia
Em uma articulação com as diretorias da Cnasi-AN, do Sindsep-PE e da Assincra/PE (esses sediados em Recife/PE) as lideranças do Incra em Petrolina acertaram a realização de assembleia extraordinária na sede da UAE para o dia 8/5/2024, às 16h.

Durante a atividade, os profissionais vão apreciar a proposta do MGI de reestruturação de carreiras apresentada às entidades representativas nacionais em 2/5/2024, em Brasília.

Fonte: Assincra/PE, Sindsep-PE e Cnasi-AN

Os associados e associadas da Assincra/RJ, reuniram-se em Assembleia Geral Extraordinária, no auditório da Regional da autarquia agrária no Rio de Janeiro, em 8/5/2024, para apreciar e deliberar sobre a proposta apresentada pelo Governo por meio do MGI às entidades representativas nacionais da categoria no dia 02/05.

A Assembleia teve início às 14h, em segunda convocação, e foi aberta pela diretora da Secretaria-Geral, Rosane Rodrigues da Silva, que registrou a presença também da diretora da Secretaria de Finanças Nizete Reston e dos diretores do Sindisep/RJ, Raul e Carlinhos.

Após aprovação de contas Assincra/RJ da gestão 2021/2024, houve apresentação da contraproposta do Governo em powerpoint que feito os esclarecimentos do grupo pela Associação e o Sindisep/RJ, abriu-se o debate e deliberação da mesma - tendo sido a contraproposta do MGI REJEITADA POR UNANIMIDADE.

Em seguida, debateu-se sobre a possibilidade de se apresentar uma proposta intermediaria ao Governo, o que foi rejeitado pela maioria dos presentes - reafirmando os termos da proposta original apresentada em mesa de negociação, por entender os servidores que ela apresenta parâmetros estabelecidos pelo MGI. Grupo considerou um desrespeito do Governo com a categoria ao desconsiderar os princípios dela constantes.

O coletivo ainda APROVOU O INDICATIVO DE GREVE e formação de um GRUPO DE MOBILIZAÇÃO da Regional que elaborará cartazes e faixas para serem afixados nos murais e portaria do prédio do Incra/RJ e no prédio do Incra na Santo Amaro. As faixas e cartazes terão as marcas da Assincra/RJ e Sindisep/RJ.

OFICINA DE PLANEJAMENTO
Servidores do Incra debatem sobre a reestruturação de carreiras do Incra durante a Oficina de Planejamento Estratégico realizada no Rio de Janeiro no início da semana - na segunda e terça-feira, dias 6 e 7/5/2024.

Tendo sido feito na terça-feira um momento de conversa dos servidores com o diretor de Gestão Estratégica do Incra, Gustavo Noronha, que também servidor de carreira da autarquia.

Noronha revelou sua frustração com a proposta apresentada pelo MGI. Ele também respondeu a questionamento de servidores sobre a frustração do público do Incra com a precária capacidade operacional e desmotivação dos trabalhadores da autarquia após a última mesa de negociação.

O evento no Rio de Janeiro é mais um para tratar de Oficina de Planejamento Estratégico realizadas nos estados, mas que o assunto valorização profissional e reestruturação de carreiras é posto no debate pelos servidores com gestores e outros participantes. Isso, mostra que a melhoria na atuação do órgão deve ser atrelada às condições de trabalho e aumento de remuneração da categoria (níveis médio / intermediário e superior), com gratificações de qualificação e localidade – como defende as reivindicações entregue em documentos ao Governo atual desde 30 de outubro de 2023.

Fonte: Assincra/RJ

Durante a mobilização da campanha “SEGUNDA-FEIRA DE LUTA” em defesa da reestruturação de carreiras, na data de 6/5/2024, os servidores do Incra em Pernambuco realizaram amplo debate para a apreciação de proposta de reestruturação de carreiras apresentada pelo MGI.

Os profissionais pernambucanos, após amplo debate, decidiram pela REJEIÇÃO DA PROPOSTA DO MGI por ela além de não atender minimamente as reivindicações da categoria ainda manteve as diferenças salariais das duas carreiras e não ampliou o percentual de remuneração do nível intermediário / médio em relação ao superior. A proposta do MGI também não trouxe as requeridas gratificações de qualificação e localidade.

Além de rejeitar a proposta do MGI, os servidores do Incra em Pernambuco decidiram ampliar a intensificação da mobilização da base, ao aprovarem INDICATIVO DE GREVE no estado.

O grupo vai realizar planejamento de ações para prepara o caminho de uma futura entrada em greve da categoria, caso o processo de negociação com o Governo não evolua adequadamente com o atendimento das reivindicações de reestruturação de carreiras.

No Rio Grande do Sul, apesar da calamidade pública provocada pela enchente, os servidores do Incra participaram, em 9/5/2024, de Assembleia virtual promovida pelo Sindiserf/RS para discutir e deliberar acerca da proposta do Governo apresentada por meio do MGI, na mesa específica e temporária, às entidades representativas nacionais da categoria em 02/05/2024.

Após amplo debate, o grupo decide pela REJEIÇÃO POR UNANIMIDADE DA PROPOSTA DO MGI por considerar que ela não atende minimamente as reivindicações da categoria – além de manter todos os problemas que têm as carreiras. Para os participantes, a proposta do MGI ainda manteve as diferenças salariais das duas carreiras e não ampliou o percentual de remuneração do nível intermediário / médio em relação ao superior. A proposta do MGI também não trouxe as requeridas gratificações de qualificação e localidade.

Também ficou decidido que, dentro das possibilidades diante da calamidade pública, serão realizadas reuniões virtuais na próxima semana com o propósito de INTENSIFICAR A MOBILIZAÇÃO para que haja avanço na negociação.

Fonte: Sindiserf/RS

Em Sergipe, os servidores do Incra, mobilizados há cerca de dois meses, se reuniram em assembleia nesta segunda-feira (06/05/2024) para avaliar a proposta recebida pela categoria para a reestruturação das carreiras do órgão na última quinta-feira (02/05).

Considerada desrespeitosa, a proposta foi rejeitada pelos servidores que avaliam que o Governo Federal descumpriu o compromisso assumido de reduzir distorções salariais entre as carreiras ambientais, agrárias e indigenista.

Com a decepção pela proposta apresentada, os trabalhadores avaliam ações para intensificar a mobilização no estado e esperam um alinhamento com a Cnasi-AN e as representações da categoria em outros estados, para definir os rumos do movimento que busca a reestruturação das carreiras do Incra.

Os trabalhadores do Incra em Minas Gerais participaram, na modalidade virtual, em 9/5/2024, de Assembleia Geral Extraordinária Estadual dos servidores federais promovida pelo SINDSEP-MG para discutir e deliberar acerca da proposta do Governo para as respectivas carreiras de PGPE, PST, PECs, ATAs, Incra, MDA e tabelas correlatas - da base da CONDSEF.

Após abertura da mesa condutora dos trabalhos, a palavra foi concedida à diretora da CONDSEF / FENADSEF e do SINDSEP-MG, Jussara Griffo, que se ateve a explanar brevemente sobre o processo negocial em torno da proposta do Governo para as carreiras citadas na convocação coletiva.

Em seguida, abriu espaço para os servidores dos diversos setores presentes, a exemplo do Incra, visando se pronunciassem acerca da proposta de cada uma das carreiras.

Os servidores do Incra que participaram da assembleia chegaram à conclusão que a proposta que os contempla está no estudo do Dieese nº 368, de composição da estrutura remuneratória dos cargos do Plano de Carreira de Reforma e Desenvolvimento Agrário, pois lutam pela a “Reestruturação da Carreira de Reforma e Desenvolvimento Agrário”. Portanto, REJEITAM a proposta do Governo Federal.

O grupo do Incra/MG ainda deliberou por a partir de segunda-feira, dia 13/05/2024, às 14h, a categoria iniciará a MOBILIZAÇÃO, com possibilidade de tirar INDICATIVO DE GREVE.

Fonte: SINDSEP-MG

Os trabalhadores do Incra no Ceará participaram, na modalidade híbrida, em 8/5/2024, de Assembleia Geral com servidores federais promovida pelo Sintsef/CE para discutir e deliberar acerca da proposta do Governo para as respectivas carreiras de PGPE, PST, PECs, Incra, MDA e tabelas correlatas - da base da Condsef.

Representando a Condsef na assembleia estiveram o secretário Geral, Sérgio Ronaldo da Silva, e da secretária de Comunicação, Mônica Carneiro.

A proposta que está sendo apresentada a todas as carreiras é a mesma: reajuste para os servidores de nível intermediário e superior de 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026. Já os servidores de nível auxiliar receberiam apenas 9%, divididos em duas parcelas de 4,5% para janeiro/2025 e maio/2026. As propostas se estendem aos servidores aposentados e aos pensionistas.

Após amplo debate, se decidiu o seguinte:
- REJEIÇÃO da proposta apresentada pelo Governo Federal, referente à reposição salarial, para o conjunto dos servidores do poder executivo apresentada PGPE, PECs, PST, Incra e MDA;
- que a negociação voltada às carreiras da base da Condsef leve em consideração os percentuais negociados nos acordos já firmados pelo Governo até o momento, com um índice em torno de 28%, sem discriminação;
- que a negociação reapresente a demanda de equiparação dos benefícios com os demais poderes até 2026;
- proposta de criação de uma gratificação específica para apoiar a alimentação dos aposentados e pensionistas e a permanência da luta para extensão da Gratificação de Qualificação aos Servidores de todas as carreiras.
- negociar com o Governo Federal, a extensão do auxílio alimentação para aposentados e pensionistas;
- no Incra ampliar a mobilização da base.

Fonte: Sintsef/CE

Entidades filiadas à Condsef/Fenadsef realizaram assembleias em todo o Brasil para que servidores do PGPE, PST, PECs, ATA, Incra e MDA analisassem proposta do governo apresentada pelo Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) em mesas específicas de negociação que aconteceram na semana passada, em Brasília. A resposta do resultado dessas assembleias será entregue pela Condsef/Fenadsef ao MGI na próxima semana.

A proposta que está sendo apresentada a todas as carreiras a partir de agora é a mesma, inclusive apresentada aos servidores da educação, categoria em greve desde o mês passado: reajuste para os servidores de nível intermediário e superior de 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026. Já os servidores de nível auxiliar receberiam apenas 9%, divididos em duas parcelas de 4,5% para janeiro/2025 e maio/2026.

As propostas se estendem aos servidores aposentados e aos pensionistas. Por isso, a Condsef/Fenadsef reforça que a unidade entre ativos, aposentados e pensionistas será fundamental durante o processo de negociações das mesas temporárias e específicas.

Essa semana o presidente Lula e o ministro da Educação, Camilo Santana, disseram que uma nova proposta seria feita aos setores que seguem em greve.

Proposta 'control c control v'
Além de continuar apontando reajuste zero para este ano, a principal crítica dos servidores tem sido a padronização das propostas feitas nas mesas setoriais. Na reunião do Incra e MDA a proposta foi exatamente a mesma apresentada ao PGPE, PST, PECs e ATA e que já havia sido apresentada aos servidores da educação, em greve deste o mês passado. "Não é possível que o governo tenha apenas uma proposta 'control c control v' para nos apresentar. O que os servidores esperam e vão cobrar é uma negociação efetiva que envolva de fato a reestruturação das carreiras do Executivo", reforçou Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Condsef/Fenadsef.

O calendário de reuniões das mesas específicas confirmadas pelo MGI continua na próxima semana. Na terça-feira, dia 14, devem ser instaladas as mesas do Dnit e da carreira de Ciência e Tecnologia. Na quinta, 16, está prevista instalação da mesa do FNDE e Inep. No dia 21 está prevista uma nova reunião da mesa da PST. Já servidores do Dnocs têm previsão de instalação de sua mesa específica no dia 29.

A Condsef/Fenadsef destaca que esse cenário de propostas padronizadas é totalmente incompatível com os compromissos que o próprio governo Lula assumiu ainda durante campanha presidencial. "Vamos entrar em campo e cobrar do governo o caminho que ele próprio escolheu. Esperamos e vamos seguir trabalhando e cobrando os avanços dessa próxima etapa que garantam acordos de reestruturação das carreiras incluindo ativos, aposentados e pensionistas", afirmou o secretário-geral da entidade, Sérgio Ronaldo da Silva, em entrevista recente ao JOTA.

Fonte: Condsef

Página 2 de 146